• Taissa Cruz

GAME OVER 2021




Foi um ano PESADO... mais um! A gente achava que 2020 tinha sido duro, não imaginava o que estava nos esperando em 21...

Chegamos por aqui, exaustos, “Tico e Teco” já não estão funcionando muito bem (ou quase nada no meu caso) e com aquela sensação de: “Ufa, sobrevivi”!!!! E você? Se identificou com alguma dessas descrições?

O importante é que finalmente o ano está acabando e em breve os novos desafios vão bater à nossa porta e começaremos tudo de novo....

Eu já estou por aqui, fazendo uma CURADORIA SUPER ESPECIAL para as Tendências de 2022, mas quero compartilhar também uma retrospectiva de alguns temas e eventos que foram (e continuam sendo) relevantes em 2021.

Vamos juntos?



(*Nosso planeta está ficando mais quente que o Cole Sprouse)

Foto: Pexels


MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Ondas de calor. Secas. Inundações. Seguido por mais ondas de calor, secas, inundações...

O ativismo jovem se fez muito presente, por meio de protestos, manifestações, vídeos que viralizaram, etc.

Uma pesquisa global feita pelo grupo Avaaz questionou 10.000 pessoas entre 16 e 25 anos sobre seus temores em relação às mudanças climáticas. Três quartos disseram que o futuro era assustador, com mais da metade sentindo que a humanidade está condenada. Quatro entre 10 pessoas não sabem nem se querem mais ter filhos...

Mais um tema que está gerando stress e ansiedade para grande parte da população mundial – o chamado “eco-anxiety” – não só pela destruição ambiental em si, mas pela falta de esperança e confiança nas autoridades governamentais que parecem não fazer nada relevante sobre o assunto.

Aí, a gente vê a “moda” das empresas ESG (environmental, social and corporate governance - governanças corporativas, ambiental e social). Alguns pontos de reflexão:

- Importantíssimo que as empresas realmente tomem ações para isso

- Nenhuma empresa se torna totalmente sustentável - o dia a dia é desafiador, são muitos os processos... E isso quer dizer que você tem que começar a se mexer AGORA! Entenda o momento atual, desenhe as metas, trace as estratégias para se tornar cada vez mais sustentável.

- As pessoas não esperam que as empresas sejam maravilhosas e perfeitas – elas esperam que as empresas sejam VERDADEIRAS, TRANSPARENTES E RESPONSÁVEIS. Faça a sua parte, comunique e engaje o seu ecossistema.



ROUND 6

Quando uma série de TV é tão popular que faz com que uma das maiores provedoras de internet (SK Broadband) entre com um processo contra a Netflix porque gerou um grande aumento no uso da banda larga, podemos dizer que o programa foi realmente incrível!


Com 1,65 bilhão de horas de exibição nos 28 dias após seu lançamento, Round 6 (como foi chamado no Brasil), se tornou o maior show da Netflix e um fenômeno mundial. Segundo a própria Netflix, foi o programa mais assistido em 94 países, incluindo EUA e "perfurou o zeitgeist cultural" ao inspirar esquetes no humorístico "Saturday Night Live" e memes no TikTok vistos mais de 42 bilhões de vezes.


O sucesso foi tão grande que aumentou as vendas do tênis branco da marca Vans em 7,800%.



ESTAFA MENTAL EM ATLETAS

As doenças emocionais cresceram vertiginosamente no mundo inteiro e não foi diferente para os ATLETAS. O ano foi marcado por vários episódios e nos deixou surpresos, tristes e mais alertas.

Tudo começou com a tenista Naomi Osaka, que, se sentindo pressionada com relação a compromissos com a imprensa impostos pelo Grand Slam, abandonou um dos torneios de tênis mais importantes do mundo, Roland Garros, do qual ela inclusive foi vencedora em 2020.

Simone Biles, ginasta americana, também não participou de várias disputas nas Olimpíadas e trouxe à tona essa discussão super importante não só em relação a vulnerabilidade humana, como também a forma que governos, corporações e autoridades se colocam sobre esse assunto.

No caso de Osaka, por exemplo, ela tentou uma negociação com os dirigentes do torneio, mas eles foram tão inflexíveis que preferiram perder sua grande estrela a renunciar a algumas entrevistas pós jogos.

Mais uma vez vemos que o mundo está doente – pesquisadores atribuíram 76 milhões de casos extras de ansiedade e 53 milhões de transtorno depressivo aos desafios pessoais, sociais e econômicos impostos pela pandemia.


Ainda existe um estigma muito grande em relação a doenças mentais e precisamos normalizar e cuidar mais das pessoas. Na última semana a OMS anunciou que a partir do ano que vem, a Síndrome de Burnout será classificada como uma doença ocupacional – isso quer dizer que as empresas precisam ficar atentas a essa doença que está intimamente ligada a estafa por trabalho.



METAVERSO

De repente ele chegou e já faz parte da nossa vida! Uma loucura para muitos, realidade para tantos outros.

A verdade é que ainda estamos aprendendo a lidar com o metaverso e como nos encaixamos dentro dele. Algumas marcas já estão a um passo a frente e transitam nesse mundo mais facilmente. Do entretenimento ao comércio, passando pela educação, elas estão dominando o marketing para alcançar consumidores e conseguir conversões.

A “metaeconomia” vai ampliar as transações e mesmo para quem não entende muito de bitcoins (como eu), essas modalidades que surgiram vão ser cada vez mais comuns.

Para quem acha bitcoin doido, os NFTs são mais ainda! Sim, as pessoas estão comprando TUDO nesse mundo virtual de meu Deus! Roupas, tênis, obras de arte, música, coleção de latas de cerveja... e nada é real, palpável, mas é real no virtual... muito louco isso né?

E nessa vontade de ser super cool, super antenado e moderno as pessoas estão pagando caro por essas novidades. Nike já fez sua “Nikeland”, marcas de luxo como Gucci e Prada já lançaram várias skins e acessórios e personalidades como Sabrina Sato e o rapper americano Trevis Scott também são exemplos que já estão fazendo sucesso nesse multiverso.


CONECTADOS PARA ESTAR SOZINHO

O que mais tem me chamado atenção ultimamente é que estamos cada vez mais conectados com o(s) mundo(s) e ao mesmo tempo cada vez mais sozinhos.

A maldita pandemia acelerou muito esse processo digital e cada vez mais as pessoas estão perdendo o “traquejo social”. Jovens não sabem mais se relacionar direito no mundo real – preferem ficar conversando pelo twitter a se encontrar pessoalmente... nem sabem falar sobre suas vidas, perguntar coisas básicas do dia a dia.

Muitos se mantêm isolados porque não estão com muita paciência para se relacionar. Muita gente está querendo fazer uma transição de carreira, deixando seus trabalhos porque começaram a se sentir mal remunerados, sobrecarregados e desvalorizados.

Por isso o boom do metaverso, do live commerce, da telemedicina, do delivery, dos games, etc. E nessa dicotomia universal em que vivemos, nunca a prestação de serviços foi tão ruim. Ao mesmo tempo em que o nosso tempo está cada vez mais escasso, muitas pessoas estão dispostas a pagar mais por comodidade e agilidade, são poucas as empresas que realmente estão investindo em realmente ajudar ao consumidor. Estão todos focados na venda, mas atualmente uma das áreas mais carentes é o pós-venda – consumidor não tem suporte, não tem atendimento, não tem agilidade, não tem empatia.



Para terminar, um rápido overview do que mais esteve em alta na procura do Google Brasil em 2021:



Busca

1º Marília Mendonça

O que?

1º- O que é cringe?

Acontecimentos

1º- Olimpíadas 2021

Beleza

1º- Unhas decoradas

Clube Futebol

1º- Palmeiras

Como fazer?

1º - Como fazer horta em casa?

Como ser?

1º - Como ser uma pessoa fria?

Filmes

1º - Eternos

Personalidade

1º - Karol Conká

Perto de mim

1º - Pet shop perto de mim?

Programa TV

1º - BBB

Série

1º - Round 6

Virou Meme

1º - Cringe


Se você chegou até aqui > super obrigada!

Se chegou até aqui e gostou >> compartilhe com os amigos!

Se quiser me dar o prazer da sua companhia e me acompanhar nas redes sociais >>> me segue: Instagram e Blog @4BrandsAtelierdeMarcas e Linkedin Taissa1510

Se quiser bater um papo sobre Branding, Marketing, Comunicação e afins >>>> Manda um oi pra mim no Direct!


Um beijo,

Taissa Cruz

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo